X

Direitos das Mulheres: 20 exemplos de verdadeiras lutadoras!

Defender os direitos das mulheres á uma das missões do feminismo. Mas, afinal de contas, o que é o feminismo? Diferente do que muitas pessoas pintam por aí, feminismo não é contrário de machismo. O machismo é a dominação do homem sobre a mulher; enquanto o feminismo é a busca por equidade de gêneros. Além do mais, não é preciso se autodenominar feminista para praticar o feminismo, nem ser ativista para ser feminista.

O feminismo já conquistou muitos direitos para as mulheres, mas ainda luta por tantos outros. A prova disso foi a Marcha das Mulheres, que tomou conta das ruas dos Estados Unidos e outros países no dia 21 de janeiro deste ano. Por isso, selecionamos 20 mulheres que são um exemplo de luta pelos direitos femininos, quebram tabus e servem como inspiração para todas nós.  

6 comportamentos libertadores que os homens precisam experimentar já!

Foto: Storypick.

Alicia Keys

A cantora nova-iorquina Alicia Keys manifestou-se contra o costume social que diz que as mulheres devem estar sempre perfeitas atrás de artifícios, como maquiagens. “Não quero me esconder mais”, escreveu a cantora em uma carta publicada na revista feminista Lenny Letter ao explicar por que estava deixando de usar maquiagem.  

Djamila Ribeiro

Mestre em Filosofia Política e uma das principais referências do movimento feminista negro atual, Djamila Ribeiro é membro da Simone de Beauvoir Society, conferencista internacional e foi secretária adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo na administração de Fernando Haddad. Foi intitulada como “a voz da consciência negra feminina no Brasil” pela Vice.

Foto: Julia Rodrigues Fotografia.

Ellen Page

A atriz de Junho vem demonstrando seu compromisso com a causa feminista desde as redes sociais, até as ruas. A igualdade entre gêneros é seu principal objetivo no roteiro de luta, assim como a defesa dos direitos dos homossexuais, no qual desempenha papel de responsabilidade social como parte do coletivo. 

Emma Watson

Nossa querida Hermione, de Harry Potter, é Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres e do movimento HeForShe. Em 2014, seu discurso emocionado na ONU sobre igualdade política, econômica e social entre homens e mulheres a colocou como referência atual do gênero. Ela também promoveu uma iniciativa que consistia em deixar livros de conteúdo feminista pelo metrô de Londres, para conscientizar a população.

Foto: 916vince.

Elza Soares

Elza passou fome na infância, perdeu maridos, filhos, mãe, sofreu com a falta de dinheiro e ainda enfrentou o julgamento do Brasil inteiro por se relacionar com Garrincha. “Eu acho que a mulher do fim do mundo é aquela que busca, é aquela que grita, que reivindica, que sempre fica de pé. No fim, eu sou essa mulher”, disse Elza Soares em entrevista ao HuffPost Brasil.

Eleita como a cantora brasileira do milênio pela Rádio BBC de Londres, Elza venceu o Grammy Latino com o álbum “A Mulher do Fim do Mundo”. O disco fala sobre empoderamento feminino, racismo e violência doméstica, entre outros temas.

Foto: Stéphane Goanna Munnier.

Frida Kahlo

Apesar de ter falecido há mais de 50 anos, a obra de Frida Kahlo segue presente como um motor da arte contemporânea. Suas pinturas são expressões do seu eu mais profundo. O buço, as axilas e as sobrancelhas não depiladas eram uma maneira de atentar contra as imposições sociais.

Foto: Nickolas Muray.

Hillary Clinton

Em 1995, Hillary Clinton surpreendeu o mundo com o discurso “Direitos das Mulheres são Direitos Humanos”, no qual as mulheres e os seus direitos ostentam seus papéis de destaque. Embora ela não tenha conseguido se tornar a primeira presidenta dos Estados Unidos, sua missão foi louvável e serviu como exemplo para milhões de mulheres.

Karol Conka

A cantora curitibana Karol Conka consagrou-se como uma das rappers brasileiras mais influentes com suas músicas repletas de verdade e empoderamento feminino. Ela é um símbolo de resistência para as mulheres negras.

Foto: Divulgação.

Laudelina de Campos Melo

A mineira Laudelina de Campos Melo foi a fundadora do primeiro sindicato de trabalhadoras domésticas do Brasil. A atuação dela foi fundamental para a categoria conquistar o direito à Carteira de Trabalho e à Previdência Social.

Foto: Divulgação.

Lisa Simpson

Apesar de se tratar de um personagem fictício, Lisa tem uma mente brilhante e aberta, é tolerante e defende que os direitos da mulher na sociedade. O episódio “Lisa Vs Stacy Malibú”, em que a menina cria uma boneca que compete com um jogo sexista, é um exemplo de sua cruzada contra o machismo e sua posição reivindicativa a favor das mulheres.

Maria da Penha

Uma das mulheres mais importantes da história atual do Brasil. Maria da Penha Maia Fernandes é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres e vítima de violência doméstica. Ela perdeu os movimentos do corpo ao levar um tiro do marido enquanto dormia e seu nome virou Lei em 2006, estipulando aumento das punições às agressões contra a mulher, além de estabelecer medidas para proteger a integridade física e psicológica de mulheres vítimas de violência.

Foto: Reprodução.

MC Soffia

A adolescente Soffia canta músicas contra o racismo e padrões da sociedade. Os versos dela tem o objetivo de empoderar as meninas negras, exaltando seus cabelos, cor de pele e ancestralidade. “Menina pretinha, exótica não é linda/Você não é bonitinha/Você é uma rainha” é um dos seus hits!

Foto: Divulgação.

Michelle Obama

Um exemplo em tudo, a ex-primeira dama defendeu os direitos das mulheres antes e durante sua passagem pela Casa Branca, aproveitando sua enorme influência. Michelle Obama é a precursora do Estado da Mulher, uma campanha que trata dos direitos da mulher e de questões como injustiça de trabalho e da violência de gênero. Meryl Streep, Oprah Winfrey e Kerry Washington também fizeram parte dessa iniciativa.

6 fatos que comprovam que os Obama são o casal mais incrível da história da política mundial!

Patricia Arquette

Foi uma das primeiras atrizes que reivindicam salário igual entre homens e mulheres em Hollywood, durante o discurso de agradecimento no Oscar  2015. Jennifer Lawrence, Jessica Chastain, Charlize Theron, Meryl Streep e Amanda Seyfried juntaram-se a ela.

Foto: Divulgação.

PAGU – Patrícia Rehder Galvão

Pagu foi escritora, poeta, diretora de teatro, tradutora, desenhista e jornalista. Ela militou para o Partido Comunista e foi a primeira mulher presa no Brasil por motivações políticas, após participar da organização de uma greve de estivadores em Santos. Ao longo da vida, foi presa 23 vezes por causa de sua militância transgressora. Em suas obras, defendeu a mulher pobre e criticou o papel conservador feminino na sociedade.

Foto: Reprodução.

Pitty

A cantora baiana Pitty luta por direitos iguais entre gêneros. Em entrevistas, afirmou que acredita que o debate sobre feminismo é necessário e saudável, principalmente para esclarecer informações desencontradas e preconceitos contra o movimento.

“O feminismo não é só bom para as mulheres, para os homens também, para a sociedade, pois se trata de igualdade, não de supremacia. O machismo oprime os homens também. Acho que no dia que eles perceberem isso, vai ser uma grande revolução”, disse a baiana.

Shonda Rhimes

Roteirista de séries como Grey’s Anatomy e Scandal, e produtora de How To Get Away With Murder, Shonda Rhimes evidencia mulheres fortes e determinadas em suas obras. “As coisas estarão melhores quando deixarmos de fazer essas perguntas. Quando não nos perguntarmos se está melhor a presença de mulheres na televisão ou quantas mulheres trabalham no meio”, afirmou Shonda.

Foto: Sarah E. Freeman / Grady College.

Valeska Popozuda

A funkeira, que defende a liberdade sexual  feminina e que a mulher pode fazer o que quiser, é símbolo para o movimento . “Feminismo é lutar pela mulher. Sei o que ela passa. O homem pode tudo. É o garanhão e, se pega uma, três ou dez, tudo bem. Ele pode. A mulher, não. Ela é sempre rotulada como a p…, a Marcha das Vadias vagabunda. Feminismo é a gente lutar pela igualdade cara a cara”, disse à revista Época em 2014.

Foto: Divulgação.

Viola Davis

A atriz Viola Davis foi a primeira mulher negra a ganhar o Emmy de melhor atriz. O discurso dela na ocasião repercute até hoje. Uma das partes mais marcantes é: “A única coisa que separa as mulheres negras de qualquer outra pessoa é a oportunidade. Você não pode ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem”. Viola é sinônimo de representatividade.

Yoko Ono

A carreira da inimitável Yoko Ono foi marcada pela faceta reivindicativa e excêntrica. “Toda mulher tem medo de se dizer feminista por causa das possíveis reações, mas o aspecto agradável disso é que torna possível uma melhor compreensão sobre a feminilidade”, disse a compositora e artista plástica ao The Washington Post.

São incontáveis as mulheres que estão no topo da luta pelos direitos e empoderamento feminino. Impossível enumerá-las todas numa única matéria. Você se recorda de mais alguma guerreira? Cite-a nos comentários. Aproveite e inspire-se em uma delas para mudar a realidade das mulheres que sofrem com o machismo, seja em casa, na rua ou no espaço de trabalho.

Conheça o mundo das mulheres e o casamento: saiba TUDO o que mudou no último século. Existem 6 tipos de mulheres BEM atuais: qual é o seu?

Gostou deste artigo? Compartilhe

Mais informação

Deixe seu comentário

Crie gratuitamente o site perfeito para seu casamento!

100% personalizável e com centenas de temas para escolher Ver mais layouts >

Quer divulgar a sua empresa no Zankyou?
O Zankyou oferece a oportunidade de mostrar o melhor da sua empresa para milhares de noivos que nos utilizam na organização do seu casamento em 20 países. Mais informação